início | fale connosco | contactos | ajuda | mapa | rss
Página Inicial
Para visualizar as imagens rotativas tem que instalar o leitor de flash, clique aqui.
Infinite Menus, Copyright 2006, OpenCube Inc. All Rights Reserved.
Categorias
Não existem destaques
 






Os garranos na Península Ibérica
25 de Junho de 2010
Os garranos na Península Ibérica
Os garranos na Península Ibérica

DANTAS, Luís;  VIEIRA, Amândio de Sousa (Fotografia) - Os garranos na Península Ibérica. Ponte de Lima: Município de Pontede Lima, 2010. 92 p. ISBN 978-972-8846-31-2.

 

 

Preço: € 15,00 (inclui o valor da taxa de IVA legal em vigor)
Como encomendar: contacte-nos através do e-mail: arquivo@cm-pontedelima.pt.

 

 

 

Apresentação:

Quando me deparei com o desafio de escrever um texto sobre o Garrano para a presente Obra do autor Dr. Luís Dantas, a quem desde já agradeço em nome do Município de Ponte de Lima por este precioso contributo a favor da salvaguarda, divulgação e valorização desta espécie de fauna, com presença milenar na Região Noroeste de Portugal, nomeadamente no Minho, decidi, prontamente, aceder ao convite com a perfeita consciência de que o Garrano é um recurso com elevada importância histórica, cultural, socioeconómica e ambiental na Região e no concelho de Ponte de Lima.

Assim, mais do que fazer qualquer referência a dados biométricos desta relíquia faunística que, desde o final do paleolítico, interage com a paisagem minhota, importa aproveitar esta oportunidade para, de forma sintética e objetiva, na senda de todos aqueles que nutrem um carinho especial por esta raça de cavalo, despertar o interesse e alertar para a necessidade e importância da proteção do Garrano, junto daqueles que tenham acesso a esta Obra.

Neste sentido seria expectável que o Garrano, uma das três raças de equinos autóctones de Portugal, pelo seu papel na fundação do País e na manutenção da biodiversidade e das paisagens serranas, tivesse, há muito, garantido o direito a ser respeitado, preservado, melhorado e valorizado mas, infelizmente e ao contrário, o Garrano, tal como as populações rurais, tem sido fortemente penalizado pelas significativas e profundas alterações ocorridas no espaço rural que, em última análise, têm conduzido à diminuição do seu número de indivíduos e à erosão do seu património genético.

Felizmente, esta evolução do mundo rural - que deverá merecer a melhor atenção e resposta por quem de direito em matéria de conservação da natureza e da biodiversidade, uma vez que sem dúvida será a principal responsável pelo desaparecimento de muitas espécies de fauna e flora europeias, a propósito do corrente ano ter sido declarado pela Assembleia-Geral das Nações Unidas como o Ano Internacional da Biodiversidade - não representou, até ao momento, a extinção do Garrano.

Este equídeo - que detém a particularidade de pertencer ao restrito grupo dos animais que podem ser encontrados, em simultâneo no mesmo período temporal, entre a fauna autóctone doméstica e a fauna selvagem - em resultado da sua rusticidade e diversas aptidões, assim como da vontade e até da "carolice"do Homem e de algumas das suas organizações é, ainda hoje, uma presença notada no nosso espaço rural, um fator de identidade e autenticidade do mesmo e, um recurso que pode e deve ser explorado a favor das comunidades locais.

Assim sendo, o Município de Ponte de Lima tudo fará, no âmbito das suas competências e das suas ações, para proteger e valorizar o Garrano - refiro a título de exemplo a Feira do Cavalo, na sua quarta edição, que resulta na principal montra do Garrano, a nível nacional e internacional - com a certeza de que, o Garrano, em resultado do esforço de todos, muito mais tem para oferecer a esta Região, em termos socioeconómicos, ambientais e de visibilidade, do que uma mera representação de tempos longínquos.

Para finalizar, não poderei perder a presente oportunidade para agradecer a todos aqueles, em especial aos principais guardiões do Garrano, os seus Criadores, que têm permitido a sua proteção e viabilizado a sua valorização permitindo, inclusive, a todos nós, cumprir com o dever de legar às gerações vindouras, se possível em melhores condições, aquela que é por muitos considerada como a mais emblemática figura da biodiversidade milenar do Noroeste de Portugal. Que saibamos criar as condições para perpetuar nas áreas de montanha do concelho de Ponte de Lima e da Região, os míticos Garranos.

O Presidente da Câmara
Victor Manuel Alves Mendes, Eng.º

Palavras chaves
voltar
Imprimir Imprimir Enviar Enviar Partilhar
topo


Categorias