Passar para o Conteúdo Principal Top

arquivo municipal logo de Ponte de Lima

AMPL_1




Doutor António Correia Caldeira (1815-1876)

Lente da Universidade de Coimbra. Político. Organizador do espólio literário do Cardeal Saraiva e coordenador da sua edição.

António José Marques Correia Caldeira nasceu em Ponte de Lima, a 13 de  outubro de 1815, filho de José Marques Caldeira, Oficial do exército e natural de Coimbra e de sua mulher D. Ana Efigénia Rita Correia, natural da mesma vila de Ponte de Lima e prima co-irmã de D. Frei Francisco de S. Luís, o Cardeal Saraiva. Foi seu irmão mais novo o poeta Luís Correia Caldeira.

  • Retrato do Doutor António Correia Caldeira.
    Retrato do Doutor António Correia Caldeira. Desenho publicado no jornal Diario Illustrado, nº 1407, de 5 de dezembro de 1876

Depois dos primeiros estudos na terra natal, obteve o bacharelato e a licenciatura em Direito, alcançando em 1842, com distinção, o grau de Doutor em Direito pela Universidade de Coimbra. Entre 1848 e 1858 foi Lente Substituto ordinário.

Trocou depois o ambiente académico pela vida política, mudando-se para a capital, para exercer as funções de Secretário-Geral do Governo Civil de Lisboa, a que se seguiram outras, de maior relevância, na Administração e no Estado, nomeadamente as de Conselheiro do Tribunal de Contas e Secretário do Conselho de Estado. Segundo vários testemunhos, mostrou-se sempre um homem competente, dedicado e austero no exercício das várias funções; nas palavras de Pinto Osório "foi um cidadão ilustre, um político honesto, um homem de distinto mérito e um homem de bem!".

Foi eleito Deputado em onze legislaturas entre 1847 e 1871, designadamente pelo círculo eleitoral de Ponte de Lima. Chegou a ser Vice-Presidente da Câmara dos Deputados, sendo finalmente nomeado Par do Reino em 1876. Recebeu a comenda da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e a Grã-Cruz da de Leopoldo da Bélgica, em reconhecimento pelos serviços prestados como Plenipotenciário junto da Corte de Bruxelas.

Uma das mais nobres e dedicadas tarefas desempenhadas por António Correia Caldeira foi a organização das Obras Completas de seu primo-tio, de quem fora herdeiro, D. Frei Francisco de S. Luís, o célebre Cardeal Saraiva, que havia sido Patriarca de Lisboa. Foram publicadas pela Imprensa Nacional, em dez volumes, entre 1872 e 1883, com uma introdução do Marquês de Resende. Aliás, este trabalho editorial já antes fora encetado e interrompido, com a publicação em 1855 de um primeiro volume, que não teve continuidade. No mesmo ano, publicava também o autor uma obra da sua autoria: "Estudos sobre a Historia de Portugal" (Lisboa, 1855).

Nas suas "Lembranças da Mocidade", Pinto Osório traça dele este breve, mas muito significativo retrato, que diz bem do impacto nacional desta relevante figura limiana - "António Correia Caldeira, Doutor da Faculdade de Direito, Lente da Universidade, Secretário do Conselho de Estado, Conselheiro do Tribunal de Contas, Deputado em muitas legislaturas, Par do Reino, distinto orador parlamentar e, sobretudo, perfeito homem de bem, muito ilustrado e muito ilustre". Mais detalhadas informações podemos colher no ‘Esboço biográfico' elaborado pelo Conselheiro Pinto Osório.

  • Tomo I (e único) da primeira edição das Obras Completas de D. Francisco de S. Luiz
    Tomo I (e único) da primeira edição das Obras Completas de D. Francisco de S. Luiz, publicado em 1855 pelo seu parente Doutor António Correia Caldeira

O Doutor António Correia Caldeira faleceu em Lisboa, onde vivia, a 2 de novembro de 1876, deixando viúva D. Maria José Deslandes, de quem teve três filhos. Foi também sua filha, havida fora do casamento quando ainda estudava em Coimbra, a célebre poetisa Amélia Janny.

  • Assinatura do Doutor António Correia Caldeira
    Assinatura do Doutor António Correia Caldeira

José Cândido de Oliveira Martins